domingo, 12 de junho de 2011

HOJE É DIA DOS NAMORADOS....

Hoje é aquele dia em que os casais apaixonados trocam presentes e juras de amor...que lindo...
Na minha opinião acho que é mais uma data pra o comercio arrancar grana do povo , como todas as outras datas comemorativas...E olha que ontem fui a um shopping e tava chapado, não dava pra andar...eu tinha me esquecido da data e fui...uma loucura filas imensas, querendo comer alguma coisa... não tinha lugar nem pra sentar...o povo gastando o que não tem a fim de agradar o ser amado... fazer o que se somos escravos de datas...
O amor não tem data, não tem hora...é o encontro de pessoas que se apaixonam, que tem afinidades, não tem dia certo pra dar presente e não pede sacrifício...
Um vestido,uma camisa ,uma caixa de bombom acabam...use a cabeça de um presente que fique ,que marque,que emocione..o simples é o que mais reflete o amor que sente...porque o amor é simples...faça um cartão lindo...faça você...não compre feito, uma flor roubada de um jardim mais uma declaração de amor não tem preço...você conquista essa mulher pra vida toda...use a criatividade...
Mas o amor hoje esta no ar...viva esse dia e todos os outros dias com seu amor...beije.. abrace...ame..
com presente ou sem presente...porque quem ama não se importa com isso..o que vale é a sua presença... ,é o seu olhar apaixonado é aquela vontade de ficar junto...isso é o que vale...Se você tá longe do seu amor...mande um mail caprichado, colocando todo seu amor lá escancarado...porque  neste caso voce fica junto sem estar perto é sofrido mais é o que tem pra hoje...
Então um feliz dia dos namorados pra todos e sejam felizes... e que seja eterno enquanto dure...
E vai um lindo soneto do grande poeta para ilustrar esse dia...

SONETO DA FIDELIDADE
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
Vinícius de Moraes
Postar um comentário